A vitória está escrita nos genes ou criada na mente?

Se tivesse um código genético vencedor seria simples esse artigo.  Guanina + Adenina  +  qualquer outro código  = vitória. Mas a equação não é bem assim. Não são pontes de código genético , seu DNA, que fazem com que você seja melhor ou pior.  Mas sim atitudes.

Não é a toa que os esportistas dos mais variados esportes são vitoriosos. Eles não foram  desenhados geneticamente para vencer. Foi uma combinação de um corpo e uma mente. Um corpo sadio que tem uma alma sã. Uma essência que prima pela excelência.

Como exemplo, cito que para ser mais flexível custa um trabalho considerável.  Aproximadamente 100 minutos alongando determinada cadeia muscular.  Esses minutos farão de você bem mais flexível, mas é trabalhoso. Não é a toa que bailarinas, atletas circenses ou nadadores tem tanta flexibilidade. Eles trabalharam bastante para isso e não acham chato, mas veem como uma oportunidade de serem melhores.

Posso dar um exemplo pessoal, sobre minha natação para ilustrar.

Adoro tanto esse esporte! Infelizmente, meu material genético talvez não tenha sido um dos melhores nadadores do planeta.  Contudo, eu sinto uma enorme melhora quando dedico grande parte do meu tempo a isso. Não é apenas minha atitude durante os treinos que me fazem ser rápido na água. Mas minha mente, meu grau de relaxamento, minha percepção do meu corpo, a sincronia, meu trabalho de flexibilidade fora dá água e principalmente minha vontade.

Phelps, Lochte, Thorpe…. Todos esses excelentes atletas tem qualidades e defeitos assim como eu.  Obviamente o nível de profissionalismo deles na piscina é fenomenal e nem chego a conhecer tal excelência.  Mas o ímpeto para nadar o mais perfeito possível está escrito em mim.  Não sei meu tempo em minutos e segundos que vou atingir. Mas cito um exemplo…

Costumava sair 3 minutos atrás do pelotão profissional no para os 1500m. Isso perdurou toda minha adolescência, até os 23 anos. Com estudo, muita prática e com uma dose de amadurecimento vi meus tempos de série se tornarem velozes e constantes. Alinhamento. Meu corpo ficou mais firme na água, apliquei força de forma mais sincronizada. Senti mais a água… Passaram se alguns e como prova definitiva de minha evolução fui o melhor nadador de uma prova internacional de triathlon (Pucón 2008).

Lembrem-se: mesma genética, contudo outra atitude, outros tempos.

Hoje após esse último Ironman, reafirmei àquela vontade de crescer. De ser o melhor nadador que poderia ser.  Alinhamento corporal. Força e flexibilidade  Pensamento grandioso.  Isso acontece já há um mês e estou nadando 5km por 6 vezes na semana… Hoje acredito que eu nunca fui melhor nadador que atualmente. E adoro isso: melhorar, romper barreiras.

Costumo tentar quebrar as fases de estagnação sempre com atitudes mentais positivas.  Ter mais vivência e uma inteligência superior ao que eu tinha no passado. Quanto à genética, talvez seja a mesma desde que eu nasci. Mas isso importa? Não posso mudá-la, mas posso adaptar-me de acordo com o meu desejo. Talvez a genética prove muitas coisas, mas por experiência já vi pessoas fenomenais não vingarem por falta de força. Não a física, mas a da vontade. De instigar-se pela virtude da excelência.

Essa vontade não está escrito em lugar nenhum. É não palpável, atingível apenas com fé em si mesmo. E por isso é tão difícil. Tive que acreditar na minha natação um dia e isso foi muito difícil. Mas consegui e percebi a grande intensidade do pensamento e da força de vontade. Uso sempre isso nas minhas provas hoje em dia.

Recomendo hoje que você seja o dono de sua mente também. Prove que barreiras são apenas barreiras, prontas para serem subjugadas por sua própria vontade. Desperte seu ímpeto e seja vitorioso, independente de onde se está sua dificuldade.

Acredite, sinta e vença.

Guilherme Manocchio