Como aprendemos algo novo? Por que algumas pessoas aprendem mais rápido do que outras? Como fazer para aprendermos mais rápido e fazer nosso cérebro funcionar melhor? Essas são perguntas que todos gostaríamos de saber. Explicando sobre a forma como aprendemos poderemos otimizar a máquina mais perfeita de todas: nosso cérebro.

 

Como ele é muito usado nas atividades físicas é muito importante para aprimorar nosso desenvolvimento esportivo e até nossa capacidade intelectual. Segue abaixo os três modos que conseguiremos otimizar o nosso cérebro:

 

MODO 1

Nosso cérebro funciona melhor com aumento das substâncias químicas, melhorando a qualidade das sinapses. Um neurônio se comunica com o outro através de uma reação química. Consequentemente, havendo mais dessa substância química, uma maior abundância, aumentaria a velocidade e a qualidade dessas conexões. Uma gasolina aditivada no seu carro por exemplo… Vamos comparar ainda esse método de aprimoramento de aprendizagem ao modo RAM do seu computador. Ele melhora a velocidade, aprendemos coisas rapidamente para o momento em questão, mas nem sempre esse conhecimento é duradouro.

No treinamento físico poderíamos pensar em estimular mais seu cérebro para a ação desenvolvida. Se a atividade for realmente importante para você, você estará muito mais ativo, desperto e com mais atividade cerebral. Se a atividade for prazerosa, desafiadora, também.

Ao tomar café ou usar algum outro estimulante na alimentação você também estará ajudando nessa corrente de sinapses, pois estará mais desperto.

Mas o principal é a atividade ter prioridade no seu entendimento, ser importante e necessária para você. Exemplo: Uma agachamento na musculação tão pesado que você corre o risco de não conseguir e poder derrubar o peso. Não se machucar ou não cair durante a execução seria vital para você, então, automaticamente, você já coloca a gasolina aditivada em ação. Treinar com um ideal claro é outro exemplo.
MODO 2

Funciona melhor também quando as ligações entre os neurônios se tornam definitivas, ou seja, formam-se novas conexões para uma determinada função. Como por exemplo, o equilíbrio durante o agachamento acima na musculação após você ter realizado diversas vezes. Após formadas essas conexões, se tornam duradouras e dificilmente você esquecerá. Como andar de bicicleta… Assim, quando você quiser usar novamente esse padrão, ele já está formado no seu cérebro e de fácil acesso. A famosa “memória muscular”, que de muscular nao tem nada, e sim neural.

Sabe quando você dominou um exercício de técnica complicada na natação há dois dias atrás e ao entrar na água, parece que se esqueceu? Pois bem, seu cérebro aprendeu o conceito com as melhorias químicas entre as sinapses RAM, mas não formou ainda o caminho para ser usado prontamente, eu diria aqui na memória REM, do seu PC.

Para ter esse conhecimento no modo REM, é necessário insistir novamente no caminho daquela técnica com tempo (dias,semanas) e importância para você, até que a corrente entre os neurônios se estabeleça através de uma nova conexão de fácil uso. Aí então na memória definitiva, de longo prazo.

Essa memória fica clara quando ex-nadadores profissionais há muito tempo longe da água, continuam nadando tão leve e fácil, com técnica apurada.
MODO 3

Seu cérebro também pode funcionar melhor com uma ativação maior entre as áreas do cérebro. Memória, paladar, audição, tato… Quanto mais estímulo houver para uma atividade, quanto mais ativar seu potencial de trabalho ele desenvolverá uma ativação maior. Por exemplo, os cegos que lêem braille têm uma área do tato nos dedos super desenvolvida pela leitura ativando a memória e o padrão usado anteriormente. Essa integração entre os lobos cerebrais, fazendo atividades novas, não corriqueiras que exijam grande repertório motor ou capacidade de quociente intelectual, melhora também o aprendizado e o uso do cérebro.

Exemplo de treinos que usem esse princípio ajustam-se nas trocas de cargas repentinas. Como correr em ladeiras em piso acidentado, por exemplo.

No ciclismo, por exemplo, poderia pedalar com rotações de 120 RPM e logo fazer uma subida no “Big Gear” a 50 RPM, seguida de um sprint máximo de 10seg.

Um exemplo para natação poderia ser nadar 4 tiros curtos de 25m (sprints) e logo na sequência colocar o pé de pato e o palmar e realizar mais alguns tiros… Para aumentar a noção de desequilíbrio eu ainda colocaria o palmar em apenas umas das mãos… O seu cérebro ficaria completamente ativo para achar o equilíbrio das forças nessas situações…

Séries de transferência de força na musculação com exercícios específicos do seu esporte são ótimos também. Por exemplo: Faça 10 barras e logo dê um tiro de 50m na piscina, realize 8 saltos com carga e saia para um sprint de 30seg na bike de spinning. Seu cérebro, e você também, irão adorar a energia disso!

Com todas essa informações fica difícil saber aonde eu queria chegar, mas calma… O que mais muda o padrão neural é simplesmente praticar mais vezes.

Os seus hábitos tornam você o que você é, e seu cérebro se adapta a eles. Quanto mais incluir esses 3 fatores na sua rotina, mais perfeito e melhor o seu cérebro funciona e então começará a aprender coisas novas mais facilidade. Ele fica treinado em usar muitas conexões, ativá-las e intercomunicar-se!
Pessoas brilhantes tem hábitos saudáveis, pensamentos bons e fazem coisas que realmente agreguem valor. É o estímulo positivo, o interesse sincero é que faz as conexões brilharem ativamente. Nosso cérebro anda em constante desenvolvimento para melhor ou pior. Use-o e ele evolui, não o estimule, fazendo coisas monótonas e sem mexer com sua motivação e perderá conexões.

Se praticar corretamente, depois de brilharem suas sinapses RAM por dias e dias, automaticamente num futuro próximo esses neurônios se ligarão em REM desenvolvendo novas virtudes para essa atividade , ” memória muscular”, e aí é pra sempre.

Lembre-se que quanto mais estimulante for seu treino, seu aprendizado também será mais divertido e mais dinâmico. Pessoas geniais fazem exatamente assim.
Bons treinos!

Por Guilherme Manocchio