Semanalmente recebo alguns artigos sobre treinamento. Semana passada um deles me chamou a atenção.  Era referente ao desejo e ação. Pensei um pouco a respeito e escrevi algumas linhas abaixo.



Muitos atletas têm o desejo de chegar aoseu auge, mas poucos realmente adotam atitudes coniventes com esse desejo.  É muito fácil dizer, eu quero ser campeão mundial. É extremamente difícil tomar atitudes para ser o campeão mundial.  É muito fácil dizer, eu tenho que perder 10kg, contudo é um sacrifício se privar das calorias para perder tanto peso.

O que desejo explicar é que  a somatória das suas ações podem fazer você chegar ao seu destino ou não.  Atletas profissionais – inclusive o campeão – tomam atitudes erradas. Porém a grande maioria de suas ações está conectada para ele atingir todo o seu potencial.

Em resumo o campeão teve menos atitudes erradas que os outros e sua vontade de vencer com a somatória de suas ações corretas fizeram dele um vencedor.  QUERER + ações corretas – ações erradas = SER

Não diga:  eu quero ser melhor. Tome atitudes para ser melhor.  O que importa nesse mundo são ações e não palavras sem cinética.

Dizer e não fazer é o mesmo que mandar uma energia para o espaço sem intenção de recebê-la novamente.  Ter intenção e ação significa que o que se pretendia está feito. Toda energia foi canalizada para seu propósito. Ao realizar isso as palavras que você passará a dizer terão efeito bumerangue, vão com força, voltam ainda mais forte.

Fico satisfeito de ter a possibilidade de trabalhar com pessoas e ver essa autosuperação todos os dias. Conheço e vejo muitas coisas e sei que aqueles que tomam ações de acordo com seu propósito chegam ao seu destino. Mesmo que por vezes tomem ações contraditórias, seu ímpeto é evoluir. E como a maioria de suas ações são corretas, há evolução mesmo! Chegam ao patamar do novo, do melhor, da auto superação e da paz interior.

Realizando o trabalho.

A maioria dos atletas bem sucedidos não se detém  na sua zona de conforto.  Eles não tem medo de sair da sua rotina e implementar algo de novo. Não tem medo de sessões de Vo2 Máximo, de intervalados… Não tem medo de ficar mais de uma hora ou duas, ou três próximos do seu limiar anaeróbico… São treinos que definitivamente não estão na “zona do conforto”.

Se continuar fazendo sempre as mesmas coisas, sempre colherá os mesmos resultados. Não adianta plantar milho para tentar colher soja. Se quiser soja, tem que semear a coisa certa.

Quem é bem sucedido nos esportes não tem uma fórmula mágica. Eles apenas cumprem o treino. Realizam as sessões. Fazem o seu trabalho.  Justamente isso que 90% das pessoas não conseguem porque têm receio de sair da sua zona de conforto.

Seria muito mais fácil continuar pedalando e correndo em baixas intensidades, nadando pouca distância por treino… Mas será que isso semeará o que você deseja colher?

E se você fizesse tudo com o manda o figurino e ainda não melhorasse?  Isso lhe causa medo, não é mesmo?        Mas por outro lado,  o que aconteceria na pior das hipóteses? Cansar e não melhorar?  Bom isso não é um grande obstáculo. Porque provavelmente você irá melhorar. E caso não melhore inicialmente, o aprendizado fará de você mais experiente e com mais autoconhecimento o que é uma grande coisa.

Pergunte-se.

Sempre se faça uma pergunta quando se tem um grande objetivo: esta ação que estou tomando está me levando mais próximo ou mais distante a realizar meu objetivo?

É simples, mas dá conta de grande parte dos recados.  Por exemplo: dormir mais cedo, ver menos televisão, comer mais saudável, tomar refrigerantes ou não… A resposta é lógica, e cada um sabe do que se quer e dos sacrifícios que terá que fazer para se chegar lá.

Lembrem-se de uma coisa:  nada de extremos.  Às vezes a mente precisa de repouso e nada mais justo que ser flexível consigo mesmo.  Como bambu:  firme e flexível.