Recentemente estive na Japi e fiz algumas apresentações.  Dentre algumas coisas e histórias que contei, acredito que a mais importante foi sobre a zona do conforto.  Existem três fatos sobre o tema.

1. Cedo ou tarde as dificuldades inevitavelmente farão você sair de lá.

2. Quem vive com a ideia em rotina, vive mais desanimado que aquele que acorda já sabendo que tentará algo novo.

3.  Temos um potencial latente inato. É  único e extremamente forte. Não usar esse potencial é “dar um banho de água fria” em nossa personalidade.  O prazer de buscar melhorar é muito forte e significativo.

Lógico que quando falo sobre o tema muitas pessoas ficam incomodadas. Mas por outro lado, para uma única coisa que não podemos mudar (as vezes depende de outros) há mil coisas que podemos.  E todas elas começam com uma atitude nossa, um olhar diferente, um bom dia que implica “estou feliz por estar aqui”!

——–

No meu caso, dê-me uns dias sem treino e eu lhe mostro como isso faz falta pra mim. Mesmo assim, eu amando meu trabalho e procurando melhorar sempre ainda convivo com os 3 pontos acima.

1.  Muitas vezes alguém descobre uma técnica nova, uma relação de marcha melhor para tal percurso, umas libras a mais no pneu e eu vejo que meu conhecimento não está tão atualizado.  Ou então quando vou para uma prova internacional e me dou mal. As vezes acontece e eu percebo que estive “confortável” algum tempo.

2. Sempre procuro inovar nos métodos de treino e no que passar para os meus alunos. Desejo sempre evoluir e fazer coisas certas e por vários ângulos. Se os dias passarem repetitivos, vamos rever o que aconteceu. Criatividade também depende de ideias compartilhadas e não apenas  individuais. E nisso tenho que melhorar.

3. Nada me faz mais contente que a sensação do dever cumprido. Nada me deixa tão animado como um recorde “algo que nunca conquistei antes”.  Se faço provas com uns quilinhos a mais, ou não tão treinado fico desanimado por ter talento e não ter aproveitado. Agora se destruo minhas marcas e ” dinamito” o percurso com minhas pedaladas, durmo muito satisfeito.

—-

Usei um exemplo simples para explicar sobre o tema, há ainda muitos outros. Mas o recado aqui é tentar algo novo. Procure uma ideia e a explore. Veja do que é capaz e vá fundo! Porque se não o fizer, haverá tristeza e falta de ânimo. Caminho errado para quem quer ser bem sucedido. Entretanto, haverá riso e aprendizado para aqueles que ousam tentar. Conhecimento e disciplina, ou em apenas uma palavra:   diligência.

”  A virtude da diligência consiste no carinho, alegria e prontidão com que pensamos no bem e nos dispomos a realizá-lo da melhor forma possível.

Diligência é uma habilidade adquirida que combina persistência criativa, esforço inteligente, planejado e executado de forma honesta e sem atrasos, com competência e eficácia, de modo a alcançar um resultado puro e dentro do mais alto nível de excelência. [Provérbios 22:29]”