Faço provas de triathlons há mais de 20 anos. Também competi em travessias, corridas e uma ou outra prova de ciclismo.  Nesse tempo todo aprendi algumas lições que são muito importantes pra mim acerca do treinamento. Pensando sobre elas, resolvi escrever um resumo para que usufruam da experiência que tive e talvez, tenham novas ideias que possa ajudar.  

Aqui seguem 10 dicas para quem quiser  conhecer minhas prioridades em como se treinar corretamente. Talvez seja importante para você também!

 

#1 Tenha um objetivo que justifique seu esforço.

Cenário 1: 5:45Am . Alarme toca.  Há tremenda dor muscular,  lembrando como foi duro o  treino do dia anterior. Os olhos estão pesados pedindo por mais momentos de sono…  

Cenário 2:  35º tiro de 100m.  De 50! Não há mais técnica, a dor é extrema e ainda faltam 15 tiros de natação. O intervalo parece cada vez menor…

Os cenários acima demonstram que nada é tão fácil como parece no que se refere ao treinamento esportivo. Há quem diga que o campeão é aquele que aguenta mais dor, aquele que treina melhor e que consegue chegar mais próximo de seu limite. E que também faz escolhas, abdicando das coisas que dão prazeres imediatos, mas maléficas a longo prazo.

Eu digo ainda mais: o campeão é aquele que está disposto a enfrentar tudo isso, e ainda ter a certeza de estar alegre, jubiloso por dentro.  É difícil, com certeza. Mas é possível.

Se existe apenas 1% de chances, é porque 99% das pessoas não estão dispostas a enfrentar a jornada.  Aqueles que realmente tem o desejo, fazem 100% desse 1%.

Quando o alarme desperta, despertará também o seu desejo mais profundo, muito mais importante que quaisquer olhos pesados. A dor na série de natação justifica a promessa implícita em melhora, superação e conquista. A motivação é o ingrediente que lhe dará forças para terminar a série com qualidade. Mesmo haja  momentos de certa agonia, haverá a certeza de que é capaz. A dúvida nem existirá.

Qualquer desculpa justificará um prazer a mais, uma sobremesa após a outra ou mesmo fugir de treinos por motivos aleatórios.

Quando temos um foco, todos treinos são realizados perfeitamente. O grau de esforço aumenta e percepção de esforço fica minimizada, fazendo-nos chegar mais perto de nosso real potencial .  

Tudo na realidade se resume: O quanto você realmente quer alcançar esse objetivo? Proporcionalmente também será o grau de intensidade, dedicação e eficiência no treinamento .

 

#2  Tenha um plano bem definido para seguir .

A inteligência em seguir um programa de treinamento com começo, meio e fim.  

Para aqueles sem norte, qualquer direção servirá. Contudo para aqueles que sabem onde querem chegar e procuram os mecanismos para isso, a conquista se aproxima.  Ao ter uma metodologia eficiente e uma linha de raciocínio lógica você poderá chegar onde deseja. Sem um rumo, suas chances diminuem.

Atualmente o estudo por trás do  treinamento desportivo cresceu muito. Hoje há estudos sobre como o corpo se comporta em vários tipos de situações em diversos tipos de treino. Por isso é importante ter alguém ou uma equipe de apoio por trás desse seu objetivo.

O fato é que ninguém chega sozinho a lugar nenhum. Às vezes um conselho certo sobre uma prova que atenda suas características como atleta pode ser o ajuste final que precisava sobre sua carreira esportiva.  Ou apenas uma reflexão sobre o motivo de competir tantas vezes seguidas, como vejo muitas pessoas fazendo, pode amenizar o risco de lesões e aumentar seu rendimento. Faz toda a diferença.  

Acredito que o mais importante é estar sempre cercado de pessoas que trabalham na mesma direção, pois como já disse anteriormente, sozinho não se vai muito longe.

Mesmo que você seja um autodidata é importante cercar-se de pessoas que estejam com você nesse seu desafio. Sejam técnicos, sejam tutores, sejam profundos conhecedores do assunto… É importante que que conheçam suas características e que tenham uma visão diferente sobre você. Que agreguem.   

Nossa assessoria esportiva, por exemplo, além do conhecimento teórico e técnico a respeito das modalidades do triathlon,  prima por conhecer as pessoas, o que as faz sentir bem.  Acreditamos que cada um é especial por uma razão. Quanto mais conhecemos as particularidades do indivíduo, criamos o caminho, antes obscuro, para que conquistem sua meta.

#3 Conheça a si mesmo.

Cada pessoa possui deficiências e qualidades. Para o treinamento é importante saber enumerá-las e trabalhar cada uma, como por exemplo,  uma falta de fortalecimento, uma carência  de flexibilidade ou até mesmo suas qualidades psíquicas e físicas…

Cada centímetro de sua personalidade deve ser checado e posto em evidência para que o duelo harmônico entre mente e corpo deixe de ser um duelo e passe a fluir.

Em todos os dias de treino, todos os dias de descanso você deverá saber um pouco mais sobre “você esportista” e “você pessoa”… Isso  otimiza  seu desempenho esportivo, pois conhecendo seu ego, sua identidade e entendendo um pouco sobre seu subconsciente é ver aumentando as porcentagens de suas chances de sucesso.  É como ter uma mão melhor, numa jogada de poker.

Recentemente li sobre a janela de Johari.  Uma conceito interessante que ela aborda é que temos quatro fatos a respeito de nossa personalidade.  1| O que todos conhecem.  2 |  O que só você conhece sobre você e ninguém mais. 3 | O que os outros sabem sobre você, mas você ainda não.  E 4 | O que ninguém, nem mesmo você sabe sobre si mesmo.  Ser aberto, sincero, trocar informações envolve a área de aumentarmos nosso conhecimento sobre nós, nosso comportamento para que nossas ações sejam  sinceras e embutidas de motivo. Ser verdadeiro a respeito de si mesmo e de suas ações é ter o brilho nos olhos.

#4 Conheça também o que irá enfrentar.  

Não podemos nos aventurar no desconhecido, temos que ter conhecimento do que estamos nos propondo a fazer. Aventurar-se no desconhecido é incerteza e incertezas geram dúvidas. Dúvidas atrapalham o rendimento ideal.

As experiências anteriores são muito importantes nesse sentido. Quem for competir uma prova de Ironman por exemplo, sem nunca ter feito um meio iron , é complicado… Seu julgamento, suas percepções do que se está fazendo ficam imprecisas, ao acaso.

Sorte ou azar é algo a ser evitado. Deve ser  trocado por certezas.

As experiências em competições anteriores, provas menores, ajudam a conhecer realmente o esporte, e projetar condições para que enfrentemos. Inclusive, devemos ter estudado o clima, as condições da prova, altimetria, dentre todos esses assuntos. Diz o ditado “Conheça a si mesmo e terá êxito em 50 por cento de suas batalhas, não se conheça, nem ao adversário e perderá todas elas. Mas conheça-se e ao seu adversário e não se preocupe mais com o resultado de nenhuma das próximas batalhas”.

 

#5  Não se desvie do seu programa de treinamento mas seja flexível.  

Qualquer coisa rígida demais, não permite a condição humana. Somos mutáveis, sujeitos ao cansaço, envolvimento emocional e outros agentes estressores além do treinamento físico.  

Sendo flexível, ajustando o programa quando a necessidade surge, trabalharemos mais eficientemente.  

Situações inesperadas surgem: uma gripe, um cansaço extremo, uma recuperação mais rápida que o normal… Tudo precisa de ajustes. Esse ajuste é importante.

Converse com seu treinador passe sempre seu feedback , suas considerações e seus sentimentos acerca do programa.  De acordo com o seu feedback,  o trabalho fica maximizado,  em conjunto, para tirar o máximo proveito de sua performance.

Um particularidade. O descanso na época de polimento, perto das provas é muito individual. Cada atleta se sente mais pronto com mais ou menos treinos, de diferentes intensidades, diferentes tipos de  descanso. É bom analisar em quais provas o polimento deu certo e repetir o que funciona.

 

#6  Mantenha um círculo de amizades positivas.

Quem está ao seu lado define muitos dos seus pensamentos. Alegria em viver, um riso, a facilidade de enfrentar dificuldades… Apenas um olhar, uma troca de energia faz você motivado a enfrentar mais um tiro, mais uma repetição na musculação ou um dia incomum de dúvida.

Muitas vezes estava cansado, após um longo dia e com uma certa preguiça em pensar em acordar para mais um dia de longo ciclismo, por exemplo. Mas umas mensagens no meu celular de amigos e parceiros de treinos é, muitas vezes, o empurrão que faltava para que eu chegasse mais perto dos meus objetivos.

Somos seres sociais e há necessidade de participarmos de um grupo. Escolha bem suas companhias e dê espaço para todos brilhar ao seu redor, você também brilhará.

 

# 7  Use sua singularidade.

O que o torna especial? Se você descobrir isso, será dotado de algo único, algo genuíno… Se explorar esse seu ponto,  quem for assistir você competindo, vai se identificar, olhar com entusiasmo. É algo difícil de explicar, mas muito certo. Como quando você vai numa apresentação e sente algo vibrando dentro de você, num show de música, no teatro, numa performance olímpica… Alguns dons, todos ganhamos. aber explorá-los é uma dádiva e eleva esse sentimento dentro dos outros também.

Eu posso identificar algumas coisas em mim, por exemplo, que me fizeram conquistar algumas de minhas melhores fases… Eu me adapto rápido a novos estímulos. Admito não ter tanta facilidade pra alguns gestos, mas acostumo com facilidade. Também tenho um alto poder de concentração, o que ajuda. Se usar isso, sendo sincero, dia após dia, começo a acreditar em sonhos que nem eu ousava atingir, como por exemplo títulos de Ironman!

Para mim isso ainda é surreal e apenas foi possível com grande trabalho e usando toda minha capacidade física e mental. Também, em competições, consigo chegar no extremo e suportar por muito tempo. Sinto algo especial quando estou assim… Quem me viu em algum dia assim, também pôde sentir um pouco do que eu sentia. Não há uma explicação muito lógica para isso.

Já senti também com meus alunos. Eles no dia especial deles, nas suas missões pessoais, engajados…  A energia era contagiante. E isso é demais, um show à parte!

Outro exemplo claro: quem viu o Senna dirigindo um F1 admirava seu jeito único de pilotar.

O fato é que explorando o seu potencial máximo, terá resultados máximos. Faça sim o programa de treinamento, mas também dê o tempero único de sua personalidade. Talvez você suporte mais volume de corrida que todos, ou tenha facilidade para dirigir uma bicicleta, quem sabe seja um prodígio com a técnica na natação, um super alongamento, não sei… O fato é que, independente do que seja,  devia explorar isso!

#8 . Melhore sua técnica.

A biomecânica é essencial para evolução. Quanto mais eficiente for, mais economiza energia e mais rápido seu corpo ficará. Com menos gasto energético poderá realizar um mesmo trabalho se sua eficiência aumentar.  

Levando em consideração apenas o ganho de força ou a condição aeróbica você melhorará apenas um tanto. Mas se o seu gesto esportivo for fluído, eficiente, você alcançará novos patamares.

Vejo ciclistas realizando potências bem mais baixas que triatletas e andando na mesma velocidade, apenas por sua eficiência.  Não é à toa que uma das medições da potência do ciclismo é o fator de eficiência, outro a suavidade da pedalada e outro ainda a efetividade do torque!

Obviamente isso não é fácil e requer grande treinamento, trabalho de flexibilidade, consciência corporal e muitas horas de prática.  Mas há meios para acelerar esse processo.

Use “espelhos”: treinando com pessoas que são melhores que você, ajuda muito. Copie as coisas que lhe falta… Observe eles e também grandes atletas.  Existe uma grande biblioteca virtual hoje, com provas olímpicas e câmeras multi ângulos…  Veja e copie os gestos.  Faça o possível e o impossível para ter a biomecânica correta:  Filme-se , ouça conselhos, veja de todos os ângulos possíveis você treinando…

Além de tudo uma melhor biomecânica  evitará lesões e fará você competir  melhor. Sempre nos animamos ao melhorar!

 

#9  Faça uso da psicologia esportiva.

O que limita realmente a performance é a mente.  A percepção de esforço que o atleta tem sobre que está fazendo.  A psicologia esportiva tem se desenvolvido ao longo dos anos e fica claro que para explorar o potencial inato de cada pessoa, não devemos abordar somente o físico.

Logicamente a mente colabora em sintonia com o corpo para que o indivíduo alcance seu potencial máximo. E adivinhe? Ela também é a principal inibidora de performance.

Há diversas linhas de estudo nesse sentido e teorias a respeito, mas fato é que toda vez que achamos que chegamos ao nosso limite, doutores e estudiosos observaram que, analisando o interior dos músculos, há sempre mais energia disponível.

Portanto, não é falta de glicogênio muscular, excesso de ácido lático nem algo inconsciente que faz o cérebro parar de gerar estímulo. É algo consciente, limitante através da dor e do quanto estamos dispostos a sofrer. A percepção de esforço, a sensação do corpo trabalhando é o cerne da teoria psicobiológica sobre esportes de resistência. Segundo FITZGERALD, 2015 o atleta não precisa aguentar o esforço em si, mas o quão difícil o esforço lhe parece. Afinal , mesmo depois de acharmos que estamos no limite, haverá  ainda sempre um resquício de potencial orgânico.

Técnicas de visualização, respiração,  inteligência emocional e motivação… A psicologia esportiva aborda uma gama diversificada de conteúdos para que você explore o máximo seus treinos e suas competições. Ótimos atletas, como o Michael Phelps, são supremos nesse sentido. Desde os 15 anos , ele projetava um tempo na sua cabeça e atingia de forma perfeita na hora H.  Acha isso coincidência?

 

# 10  Ame o que faz.  

Alguém muito empenhado sempre tem um desejo profundo. Alguém que é apaixonado pelo que faz, além de se empenhar, vive o momento .

Fazer as coisas por obrigação é como fechar uma porta, uma porta que normalmente esconde o sucesso.  

Ao treinar com atenção e com emoção, considerando  o tempo dedicado aos treinos como agradável, produtivo, seus hormônios se regularizam, entram em sintonia. Seu corpo transforma-se mais rapidamente fazendo as adaptações necessárias. Assim portas que nem existiam começam a serem vislumbradas. Portas com dizeres: sonhos, conquistas, sentimentos… Essas começam a abrir se continuarem persistentes e apreciarem o que estão se propondo a fazer.

Toda vez que nos emocionamos com alguma coisa, é porque houve muito sentimento… No esporte também é assim.  Cada poro de seu corpo vibra junto com suas emoções  e chega-se muitas vezes  a vivenciar um estado único de sintonia, de até desapego, onde a noção de tempo fica diferente, e o esforço é sentido, mas a performance parece ilimitada.  Chamam isso de estado de fluxo que é um  total comprometimento e produtividade no que se está fazendo. No esporte normalmente isso significa sucesso! O estado de fluxo só é atingido quando há paixão naquilo que se faz. Ter isso é como conquistar o mundo. Mesmo que seja o seu mundo.